Mandante da morte de Valdir Macário diz que crime foi motivado por ciúmes

Edgar Silva Santos, que foi preso na terça-feira (10) suspeito de matar o cabeleireiro Valdir Macário, em Salvador, confessou à polícia que o crime foi motivado por ciúmes. A informação foi divulgada pelo diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), José Bezerra, durante uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (11). A delegada Jaqueline Gordilho, delegada titular em execício da 6° Delegacia Territorial (DT/Brotas), também participou da coletiva.

Segundo Edgar informou a polícia, Valdir estava ajudando o irmão Reginaldo a ter encontros amorosos com a esposa dele, chamada Jucilene Alves dos Santos. "Ele [Edgar] disse que o crime foi passional e que os comparsas, solidarizados com a dor dele, o ajudaram no crime", explicou José Bezerra.

Um mês antes de Valdir morrer, o irmão dele, Reginaldo, sofreu um atentado, mas sobreviveu. O irmão de Valdir confirmou o relacionamento com a mulher e contou à polícia que ela disse que estava em processo de separação.

A polícia também destacou que Edgar foi mentor dos dois crimes, tanto da tentativa de homicídio de Reginaldo quanto na morte de Valdir.

"Edgar pagou R$ 20 mil para um rapaz matar Reginaldo. E nesse crime, outros dois comparsas dele participaram. Já no crime contra Valdir, três comparsas dele atuaram. Patric, que foi preso, entrou no salão com outro homem, enquanto outro ficou no carro. No total, três tiveram participação no caso de Valdir, além de Edgar, que foi o mandante. Os outros dois ainda estamos investigando para identificar e prender", disse Bezerra.

Segundo o diretor do DHPP,  Edgar também alegou ter se sentido ameaçado por Valdir, após o ataque a Reginaldo. "Valdir teria comentado com as pessoas e com a polícia que o crime contra o irmão não iria ficar daquele jeito, e Edgar interpretou como uma ameaça", contou Bezarra.

A polícia informou ainda que Edgar já foi preso por tráfico de drogas assim como a esposa Jucilene, em 2008. A prisão preventiva da mulher já foi expedida. Segundo Bezerra, o pedido foi feito para que ela seja ouvida.

Ao ser preso nesta quarta-feira, foram encontradas com Edigar e Patric armas, munições, celulares e relógios. Eles alegam que essas armas apreendidas não foram as mesmas usadas nos crimes contra Reginaldo e Valdir.

Fonte: Globo.com

Comentários