Policiais do Deic vão atuar contra grupos de pichadores em SP

Notícias da sua região rio grande do norte cruzeiro do sul e região ji paraná e região central cacoal e zona da mata rio de janeiro rio de janeiro rio de janeiro e região são paulo e região são carlos e araraquara vale do paraíba e região rio grande do sul

Policiais do Deic vão atuar contra grupos de pichadores em SP Prefeito João Doria está em uma cruzada contra pichadores e grafiteiros desde o início do mandato. Por Márcio Pinho, G1 São Paulo Ponte Estaiada antes da remoção das pichações (Foto: Reprodução/TV Globo) O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves, afirmou nesta segunda-feira (23) que o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) vai atuar contra o grupo de pichadores. O Deic é especializado nas investigações contra o crime organizado e a pichação esté prevista apenas na Lei de Crimes Ambientais e tem pena prevista de detanção de 3 meses a 1 (um) ano e multa. "O Deic vai atuar pontualmente toda vez que a gente perceber a existência de uma organização diferenciada visando a realização de pixações", disse Alves durante agenda do governador Geraldo Alckmin. Em 2015, a Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que ameniza a punição para quem picha edifícios e monumentos urbanos. A proposta acaba com a possibilidade de prisão para pichadores e estabelece como punição a prestação de serviços à comunidade por, no máximo, cinco meses. No dia 14, um homem foi detido por pichar o prédio da Prefeitura de São Paulo, no Centro da capital paulista. De acordo com a Secretaria Municipal da Segurança Urbana, ele foi flagrado por agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM) quando escrevia em uma parede lateral do edifício. O prefeito João Doria (PSDB) está em uma cruzada contra pichadores e grafiteiros desde o início do seu mandato. Uma parede que tinha grafites na Avenida 23 de Maio e que foi pintada de cinza pela Prefeitura de São Paulo nos últimos dias amanheceu com manchas coloridas na manhã desta segunda-feira (23). As marcas feitas em diferentes cores seriam um protesto contra Doria e lembram as manchas que já foram feitas em monumentos como a estátua de Borba Gato e o Monumento às Bandeiras. As manchas apareceram em uma parede perto do Viaduto Tutoia, na Vila Mariana. Perto dali, foi preservada uma pintura do muralista Eduardo Kobra que faz referência à São Paulo antiga. No total, haviam sido pintados 15 mil metros quadrados de paredes com grafite nos últimos anos na avenida, fazendo da 23 de Maio o maior mural a céu aberto da América Latina. Segundo a nova administração, os painéis de grafite pintados em 2015 na 23 de Maio e que estavam pichados foram retirados. O prefeito João Doria anunciou que a avenida terá oito espaços para os grafiteiros. A estratégia causou protestos. Neste domingo (22), cerca de 40 manifestantes fizeram um ato na avenida a favor dos tradicionais grafites. O ato saiu da Praça da Bandeira, no Centro, e ocupou uma das faixas da pista sentido Aeroporto de Congonhas da 23 de Maio. Os manifestantes levavam faixas e filmavam os grafites que sobraram. Policiais militares acompanharam de perto o protesto, que terminou de forma pacífica no Parque do Ibirapuera. Doria comenta

Horas antes, durante agenda pública na Vila Maria, Zona Norte da capital, Doria comentou a polêmica em torno do tema. "Pichação não é grafite nem mural. Mural e grafite são expressões de arte urbana, que nós respeitamos. Pichação, não, nós condenamos”, afirmou. Segundo Doria, o secretário da Cultura, André Sturm, está “convidando muralistas e grafiteiros para recuperar as cores originais” dos grafites que foram mantidos na 23 de Maio. “As demais áreas não: elas serão limpas porque foram degradadas por pichadores”, disse. “Quero deixar claro: pichadores são condenados na nossa cidade. A população não quer a pichação e não vai ter a pichação porque nós vamos fiscalizar e punir os pichadores", acrescentou. "Inclusive pedi um Projeto de Lei à Câmara Municipal de São Paulo para quintuplicar o valor da multa. E os que não puderem pagar o valor da multa, não tem problema nenhum: vão pegar pincel, tinta e limpar a porcaria que fazem na cidade de São Paulo.” . Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano: (Redação dada pela Lei nº 12.408, de 2011) Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. (Redação dada pela Lei nº 12.408, de 2011)

Governo do RN diz que agentes evitaram fuga em Alcaçuz; um detento foi baleadoTENSÃO NO RIO GRANDE DO NORTEÔnibus voltam a circular em Natal após ataquesDengue, zika e chikungunya causaram 794 mortes no país em 2016No mesmo período de 2015, as três doenças haviam provocado 1.001 mortes.Acidente com Teori Zavascki: veja o que se sabe até agora e o que é boato ou não tem fundamentoO que foi confirmado, o que é investigado e o que já foi descartado sobre dúvidas e boatos que circulam na internet.Ministro do STF diz que Cármen Lúcia não deve homologar delaçãoSem Teori, OAB quer que presidente do STF decida sobre delações da Lava JatoSem Teori, OAB quer que presidente do STF decida sobre delações da Lava JatoDestroços de avião que caiu com Teori são levados para o RioMãe e filha vítimas de acidente são enterradasMãe e filha vítimas de acidente são enterradasDinheiro do FGTS acumula perda de 40% para a inflação em 17 anosGoverno anunciou que permitirá saque de contas inativas.Ducati inicia pré-venda da moto mais cara do Brasil, que custa R$ 550 milSó 500 unidades foram fabricadas no mundo.Mercado prevê corte maior e juros em 9,5% no fim do anoTHAIS HERÉDIA: asfaltando a trilha da recuperação Bom Dia SPeleições em são paulorio grande do nortecacoal e zona da matario de janeirorio de janeiro e regiãosão carlos e araraquaravale do paraíba e regiãorio grande do sul

Fonte: Globo.com

Comentários