Após massacre, 17 presos de Manaus são transferidos para presídios federais

Outros 20 detentos voltaram do interior para a capital amazonense após decisão da Justiça

Dezessete presos do Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim) e da UPP (Unidade Prisional do Puraquequara), onde 60 presos morreram após uma rebelião ocorrida entre domingo (1) e segunda-feira (2), são transferidos para presídios federais nesta quarta-feira (11). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas, as transferências começaram nesta manhã.

Os homens, que serão levados a unidades federais ainda não divulgadas, são lideranças da facção FDN (Família do Norte), que ordenou o massacre nas cadeias.

Entre os que deixarão o Estado estão presos classificados como "xerifes" da organização, que coordenavam a atividade criminosa dentro das penitenciárias — além de pessoas acusadas de assassinatos em nome da facção e traficantes da região de fronteira.

Ao menos quatro dos 17 já haviam sido identificados pela Polícia Federal na Operação La Muralla, que desarticulou parte da quadrilha. No relatório da investigação, é dado destaque para Márcio Ramalho Diogo, o Garrote, transferido nesta quarta, descrito como "perigoso membro da FDN, com diversos antecedentes criminais e reconhecido no mundo do crime pela extrema violência e crueldade com que atua". Segundo a PF, ele era um "xerife" no Compaj, homem de confiança de outro integrante da cúpula, Carlos César Libório, o Cubiu.

A investigação mostrou que Diogo era responsável pelo transporte de grandes cargas de drogas da fronteira para Manaus, tendo sido preso em abordagem policial. Ele, de acordo com a polícia, executava ordens e fazia cumprir as regras de disciplina imposta pelas lideranças, "sendo inclusive o responsável por aplicar penas aos detentos que variavam de lesões graves ao homicídio". Na cadeia, a PF disse que ele se converteu em braço direito de José Roberto Fernandes Barbosa, o Pertuba, um dos criadores da FDN.

Também transferido nesta quarta-feira, André Said de Araújo foi descrito pela polícia como homem de confiança do fornecedor de drogas colombiano Daniel Rodrigues Orosco. "[André] se encarregava de toda a parte operacional do grupo relacionada ao recebimento, armazenamento e distribuição de drogas, armas e dinheiro", descreveu os agentes no relatório da operação.

Lenon Oliveira do Carmo, que está no grupo dos 17 retirados do Compaj, também é considerado de "alta periculosidade" e importante membro da FDN, ligado ao grupo do "xerife" Alan Castimário. Além dele, Eduardo Queiroz de Araújo estaria ligado aos assassinatos praticados a mando da facção, "sendo sicário de total confiança de Alan Castimário e José Roberto".

"Foi o executor de diversos homicídios realizados a mando das principais lideranças, especialmente no episódio que terminou conhecido como fim de semana sangrento", disse a Polícia Federal.

Entre a tarde de sexta-feira, 17 de julho de 2015, e a manhã da segunda-feira seguinte, uma onda de crimes foi registrada em Manaus. Trinta e oito pessoas foram assassinadas no que seria uma ação orquestrada pela FDN para matar membros do Primeiro Comando da Capital (PCC) e da facção Esparta 300.

O pedido de transferência ocorreu a partir de informações reunidas pela força-tarefa criada para investigar o massacre no Compaj. A Polícia Civil amazonense informou usar desde o princípio do inquérito instaurado para apurar o caso imagens de câmeras de segurança do circuito interno do Compaj.

Segundo os policiais, havia imagens que mostravam os assassinatos e ajudariam a identificar os diretamente envolvidos. Não foi informado nesta quarta se os 17 responderão pelos 56 homicídios do local, ou se o número de envolvidos nos crimes pode aumentar.

Além dos já citados, estão na lista da transferência Janes do Nascimento Cruz, Cláudio Dayan Felizardo Belfort, Florêncio Nascimento Barros, José Bruno de Souza Pereira, Gileno Oliveira do Carmo, Demétrio Antonio Matias, Wilson Guimarães Fernandes, Fábio Palmas de Souza, Heliuton Cabral do Carmo, Eduardo Queiroz Araújo, Reginaldo Muller Neto e João Ricardo Santos da Costa.

Além desse grupo, outros 20 presos que deixaram o Compaj e haviam sido levados para a Cadeia Pública de Manaus e foram para um presídio no interior retornaram para a capital após decisão judicial.

Nesta terça-feira (10), o governador do Amazonas, José Melo, afastou do cargo, por tempo indeterminado, o diretor interino do Compaj, José Carvalho da Silva. A sanção administrativa foi decidida depois que veio a público a informação de que, semanas antes da chacina que vitimou pelo menos 56 presos da unidade, dois detentos tinham denunciado à Justiça estadual que diretores do presídio recebiam dinheiro de organizações criminosas para permitir a entrada de armas, drogas e celulares na unidade.

Manaus registra mortes em cadeia após nova rebelião

Temer diz que facções têm 'regras próprias' que preocupam não só o governo, mas toda a nação

Segundo a Secretaria de Comunicação do Amazonas, Silva permanecerá afastado até que os fatos sejam esclarecidos. Se ao fim da apuração as denúncias forem confirmadas, ele poderá ser exonerado e processado.

Também na terça-feira, policiais da Força Nacional chegaram à Base Aérea de Manaus (AM). Os militares desembarcaram de dois voos da FAB (Força Aérea Brasileira) para reforçar a segurança externa dos presídios da cidade. Ao todo, cem homens serão enviados ao Estado, além de dez agentes penitenciários federais, uma equipe multidisciplinar, que vai auxiliar na administração dos presídios, de acordo com o Ministério da Justiça.

Facções tomam conta de presídios de todo o mundo. Conheça algumas das gangues mais perigosas

Presos foram ameaçados e já sabiam que seriam mortos 15 dias antes de rebelião em Manaus:

Fonte: R7

Comentários