Claudia Alencar e Isadora Ribeiro relembram, 28 anos depois, cenas ousadas de 'Tieta'

Isadora Ribeiro, de 51 anos, é a primeira a chegar ao estúdio do EXTRA para encontrar Claudia Alencar, de 66, que, como ela, esteve em “Tieta”, novela de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares, reprisada atualmente no Viva. Pontual, ela aparece acompanhada da filha, Valentine, de 10 anos, cumprimenta a equipe e logo é surpreendida pela entrada da colega. A conversa vira um encontro de comadres.

“Tá lindona! Está namorando, Isadora?”, indaga Claudia. “Não tem homem no mercado. Ou é velho ou o cara é novinho. Quando não é gay fingindo ser homem. Não namoro bissexual de jeito nenhum! Ou o cara quer uma coisa ou outra, os dois ao mesmo tempo não dá”, dispara Isadora, que ouviu a opinião de Claudia em seguida: “Acho que pode tudo”.

Fofocas à parte, Isadora retorna ao tema da entrevista. E define sua participação na abertura como um divisor de águas na carreira que, mais tarde, a projetou para outros trabalhos como “Pedra sobre pedra” (1992) e “Mulheres de areia” (1993). Dois anos antes, ela havia protagonizado a icônica vinheta do “Fantástico” e pediu uma nova chance ao então namorado Hans Donner.

“Ele ficou reticente, disse que o pessoal ia ficar comentando de favorecimento, mas o Boni (José Bonifácio de Oliveira) bateu o martelo: ‘Para que fazer teste se você já tem uma mulher bonita em casa? Eu quero a Isadora’, disse ele, sugerindo meu nome”, conta a musa.

Após ter ganhado o trabalho, Isadora afirma ter ficado apavorada: “Como vou me soltar com todo mundo olhando? Estava mais preocupada com a equipe do que com quem fosse me assistir em casa. Então, tomei uma decisão: já tirei a roupa logo quando entrei no estúdio, quem quisesse ver que visse”.

A abertura acabou gerando comentários de que Isadora havia colocado silicone. Ela nega: “Gravei em pé, mas o jogo de câmera dava a impressão de eu estar deitada. Nunca fiz plástica, mas se um dia tiver que fazer, farei”.

Isadora Ribeiro na capa da trilha de 'Tieta' Foto: Divulgação

A abertura acabou gerando comentários de que Isadora havia colocado silicone. Ela nega: “Gravei em pé, mas o jogo de câmera dava a impressão de eu estar deitada. Nunca fiz plástica, mas se um dia tiver que fazer, farei”.

Já Claudia relembra o sucesso estrondoso de Laura até em Portugal. Em Lisboa, ela conta ter sido tratada como rainha, com direito a cortejo de carruagem pelas ruas da cidade: “Foi a forma de eles me homenagearem. Saía dando thauzinho e todo mundo ia seguindo a carruagem. Depois, me colocaram sentada num trono, onde o povo fez fila para beijar a minha mão”.

Laura era casada com o comandante Dário (Flávio Galvão) Foto: Divulgação/ TV Globo

Revelada no fim como a Mulher de Branco, uma assombração que enfeitiçava os homens da pacata Santana do Agreste, Claudia revela que sua trama teve quatro finais gravados, e que escapou de ficar nua por um triz em outra cena. O autor Aguinaldo Silva escreveu uma sequência em que Laura tomava um banho pelada na praia: “Caraca, não estava no meu contrato ficar nua, eu pensei. Mas o diretor optou por eu usar uma roupa branca. Foi uma bela cena a luz da lua, eu saindo do mar, com a roupa colada. Ficou muito mais sensual”.

Mas três anos antes, em 1986, Claudia já havia exibido seus atributos físicos. Foi no auge do sucesso em “Roda de fogo”. “Posei pelo dinheiro e sustentei meu filho quase três anos com o cachê”, recorda. Isadora também posou nua três vezes: duas para a “Playboy” e uma para a “Sexy”. Diferentemente de Claudia, ela afirma ser desapegada para tirar a roupa: “Tenho problema é com cachê baixo. Com o dinheiro do meu primeiro ensaio comprei uma cobertura no Leblon”.

Fonte: Jornal Extra

Comentários