Corpos de heróis da Chapecoense são velados debaixo de chuva e de lágrima e seguem para suas cidades-natal

Apenas 16 dos 50 brasileiros velados na Arena Condá serão sepultados no oeste catarinense

“O campeão voltou” ao seu estádio para uma emocionante homenagem debaixo de água de chuva e de lágrima. Os heróis da Chapecoense foram velados durante toda a manhã e o início da tarde deste sábado (3), na Arena Condá, e agora seguem para suas cidades-natal.

Apenas 16 dos 50 corpos serão sepultados em Chapecó. A queda do avião Avro RJ85 na região de Medellín, na Colômbia, matou 71 pessoas entre integrantes da Chapecoense, profissionais da imprensa, além de parte da tripulação.

Nem mesmo a chuva fez os fãs arredarem pé para o último adeus a seus heróis. Mas era como se o dilúvio que caiu no oeste catarinense fosse a simbolização do choro de todos. Choro não apenas da família, dos amigos, dos torcedores da Chapecoense, dos torcedores de tantas outras torcidas... O mundo se solidarizou com a tragédia.

Os jogos dos campeonatos europeus reservaram um minuto do mais puro silêncio às vítimas do acidente. O presidente da Fifa, Gianni Infantino, veio para o Brasil acompanhado de lendas do futebol como Clarence Seedorf e Carles Puyol. Leia mais.

Ainda antes do velório começar propriamente dito, a mãe do goleiro Danilo, Ilaídes Padilha, deu uma volta olímpica na Arena Condá. Segundo ela mesmo disse, perdeu um filho, mas ganhou vários outros. Leia mais.

Símbolo da Chapecoense desde sempre, o indiozinho Carlos Miguel Garcia, de 5 anos, também deu show no gramado. Com a sinceridade própria das crianças, o pequeno Carlinhos foi o alento que uma nova geração está por vir. Leia mais.

O prefeito de Chapecó mais uma vez deu mostras de sua generosidade neste sábado (3), durante o velório de 50 dos 64 brasileiros mortos na tragédia de Medellín, na Colômbia. Luciano Buligon fez um discurso emocionado em que homenageou os heróis da Arena Condá. “Lendas não morrem”, disse Buligon. Leia mais.

Depois de alguma polêmica, Michel Temer decidiu comparecer ao velório coletivo na Arena Condá. O presidente disse que “questões de segurança” o impediram de anunciar seu desejo de comparecer à celebração. Temer não discursou. Leia mais.

Assim que os primeiros corpos começaram a chegar à Arena Condá, a torcida naturalmente entoou o hino que melhor representa as vítimas da tragédia da Chapecoense. Ao som de “o campeão voltou”, um a um, os corpos eram dispostos no centro do gramado. Leia mais.

Programas da Record na íntegra no R7 Play

Fonte: R7

Comentários