Autoridades confirmam suicídio de ex-astro da NFL; cérebro será doado para pesquisas

A morte de Aaron Hernandez na prisão, na última quarta-feira, foi confirmada como um suicídio, e o cérebro da ex-estrela da NFL está sendo doado a pesquisadores de concussão esportiva, anunciaram autoridades de Massachusetts na quinta-feira.

Aaron Hernandez nos deixa com uma questão final: 'Por quê?'

De infância dura a suicídio na cadeia: como candidato a ídolo da NFL se perdeu na vida

Ex-jogador dos Patriots se mata em prisão

A confirmação do suicídio por promotores, polícia estadual e autoridades de saúde pública veio após um dia tumultuado em que o advogado de Hernandez sugeriu que o estado estava manipulando a investigação e ilegalmente retendo seu cérebro depois de liberar o resto do corpo para o velório.

As autoridades disseram que os médicos constataram que a causa da morte foi asfixia por enforcamento e que os investigadores encontraram três notas manuscritas ao lado de uma Bíblia na cela de Hernandez no Centro Correcional Souza-Baranowski, na cidade de Shirley.

"Não houve sinais de uma luta, e os investigadores determinaram que o Sr. Hernandez estava sozinho no momento do enforcamento", dizia o comunicado.

Hernandez esteve trancado em sua cela desde as 20h de terça-feira, e ninguém entrou no local até que um guarda o viu pouco depois de 3h da manhã de quarta e precisou forçar sua entrada, porque um pedaço de papelão havia sido preso no trilho da porta para impedir a entrada.

O ex-jogador do New England Patriots foi encontrado pendurado em um lençol e foi levado para um hospital, onde foi declarado morto uma hora mais tarde.

Mais cedo na quinta, o advogado de Hernandez havia reclamado que as autoridades entregaram o corpo do ex-jogador de 27 anos, mas não seu cérebro. Um procurador afirmou, porém, que a família havia acordado com pesquisadores da Universidade de Boston a custódia do órgão.

O centro de estudos investiga uma doença cerebral degenerativa progressiva encontrada em alguns atletas que sofreram trauma repetitivo do cérebro.

Fonte: ESPN.com.br

Comentários