Tiroteio na favela do Pavão-Pavãozinho, no Rio, deixa um morto e três feridos

Um tiroteio entre policiais e traficantes na favela do Pavão/Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, deixou um morto e três feridos, de acordo com o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do complexo Pavão/Pavãozinho/Cantagalo.

O morto foi identificado por moradores como Fabio Fernando. Ele trabalhava num condomínio da Rua Sá Ferreira, em Copacabana, perto da favela, e morava na comunidade. O funcionário do prédio estaria voltando para sua casa quando foi ferido. De acordo com o comando da UPP, Fabio ainda foi levado ao Hospital municipal Miguel Couto, assim como os outros feridos, mas não resistiu.

Segundo a polícia, os agentes realizavam patrulhamento na localidade do Serafim, na favela, quando criminosos armados atiraram e arremessaram artefatos explosivos contra os agentes, por volta de meio-dia. Houve confronto, e os bandidos fugiram. "Posteriormente, a unidade foi informada de que duas pessoas feridas teriam dado entrada no Hospital Miguel Couto", disse a nota do comando da UPP.

Moradores da comunidade fazem uma manifestação na entrada para o Pavão Pavãozinho para protestar pelo morador que foi morto e pelos que ficaram feridos. Segundo o Centro de Operações do Rio, a Rua Sá Ferreira está interditada há cerca de meia hora e policiais militares estão no local. A opção para os motoristas é seguir pela Rua Raul Pompeia.

Moradores fazem protesto com fogo na entrada da localida conhecida como Ladeira Foto: PPG Informativo

Os agentes continuam realizando ações de varredura em busca de suspeitos envolvidos na troca de tiros. A ocorrência está sendo registrada na 13ª DP (Ipanema).

Desde o final da manhã, moradores relatam um intenso tiroteio. O barulho dos tiros era ouvido por residentes de vários trechos do bairro. Da janela dos apartamentos, moradores gravaram os sons dos disparos vindos da comunidade. Em um vídeo, enviado para a página 'Onde Tem Tiroteio-RJ' no Facebook, um morador grava o barulho de várias rajadas de fuzil.

Fonte: Jornal Extra

Comentários