Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em baixa, em meio a decepção com Trump

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

Digite o resultado da operação matemática neste campo

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h04.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h04.

O funk como um negócio que gera trabalho e foco

Pior estrada do Brasil liga a Bahia ao estado do Tocantins

Tricolor se reapresenta com novidades, mas sem 'El Toro'

Fluxo de veículos em estradas pedagiadas caiu em 2016

Após mais de 15 anos, Bernardinho deixa comando da seleção masculina

Lula pede eleição em 2017 e diz 'nós voltaremos' em ato do MST

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em baixa, em meio a decepção com Trump

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira (12), diante da decepção dos investidores com a coletiva do presidente eleito dos EUA, Donald Trump.

Ontem, na primeira coletiva desde sua vitória em novembro, Trump não ofereceu detalhes sobre planos econômicos ou futuros incentivos fiscais, deixando "os mercados no escuro em muitos aspectos", segundo Alex Furber, operador de vendas da CMC Markets.

Nos últimos meses, especulação de que o futuro governo dos EUA tenderia a ser mais agressivo na adoção de estímulos fiscais vinha ajudando a impulsionar o dólar, os juros dos Treasuries e as bolsas internacionais.

Em reação à falta de novidades significativas durante a coletiva, o dólar se enfraqueceu ante o iene e outras moedas principais, prejudicando ações de exportadoras na Bolsa de Tóquio. O índice japonês Nikkei caiu 1,19% hoje, encerrando o pregão a 19.134,70 pontos.

Na China, o Xangai Composto recuou 0,56%, a 3.119,29 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 0,87%, a 1.951,31 pontos. O dia também foi de perdas em Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em baixa, em meio a decepção com Trump

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira, diante da decepção dos investidores com a coletiva do presidente eleito dos EUA, Donald Trump.

Ontem, na primeira coletiva desde sua vitória em novembro, Trump não ofereceu detalhes sobre planos econômicos ou futuros incentivos fiscais, deixando "os mercados no escuro em muitos aspectos", segundo Alex Furber, operador de vendas da CMC Markets.

Nos últimos meses, especulação de que o futuro governo dos EUA tenderia a ser mais agressivo na adoção de estímulos fiscais vinha ajudando a impulsionar o dólar, os juros dos Treasuries e as bolsas internacionais.

Em reação à falta de novidades significativas durante a coletiva, o dólar se enfraqueceu ante o iene e outras moedas principais, prejudicando ações de exportadoras na Bolsa de Tóquio. O índice japonês Nikkei caiu 1,19% hoje, encerrando o pregão a 19.134,70 pontos.

Na China, o Xangai Composto recuou 0,56%, a 3.119,29 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 0,87%, a 1.951,31 pontos. O dia também foi de perdas em Hong Kong, onde o Hang Seng registrou baixa de 0,46%, a 22.829,02 pontos, mas o Taiex avançou 0,69% em Taiwan, a 9.410,18 pontos.

Outra exceção positiva na Ásia foi o sul-coreano Kospi, que subiu 0,58% em Seul, a 2.087,14 pontos. O Banco Central da Coreia anuncia decisão de juros no fim da noite de hoje. Já nas Filipinas, o PSEi caiu 0,78% em Manila, a 7.264,55 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana se desvalorizou na esteira da coletiva de Trump, que ontem também criticou a indústria farmacêutica, o que pesou nos papéis de empresas do setor negociados em Sydney. O índice S&P/ASX 200 terminou a sessão em baixa de 0,1%, a 5.766,90 pontos.Hong Kong, onde o Hang Seng registrou baixa de 0,46%, a 22.829,02 pontos, mas o Taiex avançou 0,69% em Taiwan, a 9.410,18 pontos.

Outra exceção positiva na Ásia foi o sul-coreano Kospi, que subiu 0,58% em Seul, a 2.087,14 pontos. O Banco Central da Coreia anuncia decisão de juros no fim da noite de hoje. Já nas Filipinas, o PSEi caiu 0,78% em Manila, a 7.264,55 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana se desvalorizou na esteira da coletiva de Trump, que ontem também criticou a indústria farmacêutica, o que pesou nos papéis de empresas do setor negociados em Sydney. O índice S&P/ASX 200 terminou a sessão em baixa de 0,1%, a 5.766,90 pontos.

Seja o primeiro a comentar esta notícia

Dólar recua ante rivais após coletiva de Donald Trump

No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava para 115,48 ienes, de 115,63 ienes na tarde de ontem; o euro avançou para US$ 1,0574, de US$ 1,0564; e a libra subiu para US$ 1,2202 de US$ 1,2170

Bolsas de Nova Iorque sobem após entrevista de Trump

O Dow Jones fechou em alta de 0,50%, aos 19.954,28 pontos; o S&P 500 avançou 0,28%, aos 2.275,32 pontos; e o Nasdaq subiu 0,21%, aos 5.563,65 pontos, renovando seu recorde de fechamento pela quarta sessão consecutiva

Dólar fecha em leve queda com ausência de detalhes nas falas de Trump

Nas mínimas, o dólar à vista recuou aos R$ 3,1796 (-0,56%), enquanto o contrato futuro para fevereiro marcou R$ 3,1985 (-0,47%)

Bolsas de Nova Iorque sobem após entrevista de Trump

Dólar fecha em leve queda com ausência de detalhes nas falas de Trump

Bovespa sobe 0,51% em dia de IPCA, Trump e Copom

Cadastre seu e-mail no formulário abaixo para começar a receber a newsletter diária.

JORNAL DO COMÉRCIO

Capa

Últimas notícias

Edição para folhear

Edição modo texto

Edições Anteriores

Especiais

Fale conosco

Trabalhe conosco

Assine já

Portal de Relacionamento

SERVIÇOS

Agenda Cultural

Agenda de Eventos

Indicadores

Galeria de Imagens

Galeria de Vídeos

Tempo

RSS

Newsletter

Blog Acontecendo

www.jornaldocomercio.com © Copyright 2016 Cia Jornalística J.C. Jarros. Todos os direitos reservados. Desenvolvido em parceria com Inove4.

Fonte: Jornal do Comércio

Comentários