Copom intensifica corte na Selic, e juros caem a 13% ao ano

Notícias da sua região rio grande do norte cruzeiro do sul e região ji paraná e região central cacoal e zona da mata rio de janeiro rio de janeiro rio de janeiro e região são paulo e região são carlos e araraquara vale do paraíba e região rio grande do sul

Copom intensifica corte na Selic, e juros caem a 13% ao ano Após primeira reunião de 2017, comitê anuncia redução de 0,75 p.p. na Selic, superior à esperada pelo mercado. Decisão vem em meio à desaceleração da inflação e demora para a retomada do crescimento econômico. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (11) o terceiro corte seguido na taxa básica de juros da economia brasileira, de 13,75% para 13% ao ano. Com o corte, de 0,75 ponto percentual, o BC acelera o ritmo de redução da Selic em meio às previsões de que a retomada do crescimento da economia brasileira pode demorar mais para acontecer e aos sinais de desaceleração da inflação. Mais cedo nesta quarta, o IBGE divulgou que a inflação fechou o ano de 2016 em 6,29%, abaixo do teto da meta perseguida pelo Banco Central, que era de 6,5%. Com a decisão, a Selic recua ao menor patamar desde o fim de abril de 2015, quando estava em 12,75% ao ano. O corte promovido pelo BC foi maior que o esperado pela maioria dos economistas do mercado financeiro, que apostava em 0,50 ponto percentual. Os analistas das instituições financeiras ouvidos pelo BC preveem que, nos próximos meses, o Copom continuará a reduzir a Selic, que chegaria a 10,25% ao ano no final de 2017. Evolução da taxa Selic, decidida pelo Copom, do Banco Central (Foto: Arte/G1) Decisão

Segundo o Banco Central, a decisão do comitê foi unânime e sem viés. Em comunicado divulgado logo após a reunião, o Copom informou que avaliou a alternativa de reduzir a taxa básica de juros para 13,25% e sinalizar uma intensidade maior de queda para a próxima reunião, mas que o cenário atual de inflação e de atividade econômica aquém do esperado tornou apropriado antecipar o ciclo. “Entretanto, diante do ambiente com expectativas de inflação ancoradas, o Comitê entende que o atual cenário, com um processo de desinflação mais disseminado e atividade econômica aquém do esperado, já torna apropriada a antecipação do ciclo de distensão da política monetária, permitindo o estabelecimento do novo ritmo de flexibilização”, diz o comunicado. O BC afirmou ainda que a extensão do ciclo e possíveis revisões no ritmo de flexibilização “continuarão dependendo das projeções e expectativas de inflação e da evolução dos fatores de risco”. Inflação x atividade

O aumento da Selic, ou sua manutenção em um patamar elevado, é o principal mecanismo usado pelo BC para frear a inflação. O objetivo é encarecer o crédito para reduzir o consumo no país. Juros altos, no entanto, prejudicam a atividade econômica e, consequentemente, inibem a geração de empregos. Quando o Banco Central julga que a inflação está compatível com as metas preestabelecidas, pode baixar os juros. Isso aconteceu a partir de outubro, quando o Copom passou a promover cortes na Selic tendo em vista as indicações de que o IPCA, a inflação oficial do país, caminhava para dentro da meta de 2016 perseguida pelo BC. Segundo o IBGE, o IPCA, que em 2015 havia acumulado alta de 10,67%, desacelerou para 6,29% em 2016. Apesar da queda, a inflação ficou próxima do teto da meta do ano passado perseguida pelo Banco Central (6,5%) e ainda distante do centro da meta, que era de 4,5%. Recessão

A desaceleração da inflação em 2016, e a previsão do governo de que ela deve cair um pouco mais em 2017, abre espaço para que o BC continue a fazer cortes na Selic, o que pode favorecer a retomada do crescimento da economia brasileira. Os indicadores mais recentes do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) apontam que a economia pode demorar mais que o previsto para voltar a crescer, o que aumentou as pressões para que o Banco Central acelere a redução da Selic. A expectativa é que isso leve ao barateamento do crédito e, consequentemente, incentive o consumo de bens e serviços no país. No final de novembro, o Ministério da Fazenda admitiu oficialmente que a economia brasileira vai crescer menos em 2017 e anunciou a revisão de sua estimativa de alta do PIB, de 1,6% para 1%. Na época, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, atribuiu a condição à demora no enfrentamento da crise financeira. Também no final de novembro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que, no terceiro trimestre de 2016, o PIB recuou 0,8% em relação ao trimestre anterior - a sétima retração seguida nessa base de comparação e a mais longa de toda a série histórica do indicador, que teve início em 1996. Em outubro, primeiro mês do quarto trimestre de 2016, a atividade economica continuou no vermelho, de acordo com o Banco Central. O chamado Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br, um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB, teve queda de 0,48% em outubro, na comparação com setembro. Em dezembro, o presidente Michel Temer anunciou que pretende adotar duas novas medidas para tentar ajudar no reaquecimento da economia. Uma delas é a liberação do saque de dinheiro de contas inativas do FGTS, que deve ocorrer a partir de fevereiro. Com esse dinheiro extra, avalia o governo, os trabalhadores poderão quitar dívidas e também consumir novos produtos. A outra medida visa reduzir os juros do cartão, que hoje chegam a 482% ao ano. Banco Central do Brasil

BC surpreende e baixa juros para 13%Após primeira reunião de 2017, Copom anunciou redução de 0,75 ponto, superior à esperada pelo mercado.Meirelles diz que acordo com o RJ é viável e sai até semana que vemMinistro da Fazenda se reuniu com o governador do RJ.Juíza de SP suspende aumento de ônibus intermunicipais da EMTUMagistrada diz que motivo para reajuste 'não está detalhado'.Aposentadoria de quem ganha mais deve ter aumento acima do reajuste do salário mínimoÍndice usado para cálculo acumulou alta de 6,58%. Portaria que oficializa reajuste ainda não saiu.Resultado da inflação favorece corte dos juros, dizem analistasInflação de 2016 foi de 6,29%, abaixo do teto da metaPoupança teve rendimento melhor com índiceInflação de 2016 foi de 6,29%, abaixo do teto da metaPoupança teve rendimento melhor com índiceTrump diz pela 1ª vez que Rússia pode ter hackeado democratas17 presos mandantes de chacina no AM vão para presídios federaisAção popular pede fim do contrato da Umanizzare no AMNo TO, MP investiga contrato com gestora de presídioAção popular pede fim do contrato da Umanizzare no AMNo TO, MP investiga contrato com gestora de presídioChoque entra em prisão após revista gerar tumulto no RecifeForam encontradas duas armas de fogo, drogas e facas.Presos bebem água de privada onde houve massacre no AMDetentos vivem sob ameaças e têm sinal de celular.

Fonte: Globo.com

Comentários