Cinco médicos acusados no caso de jovem que morreu com tumor não diagnosticado

Jovem de 19 anos foi às urgências mais de 10 vezes e os clínicos não realizaram exames de diagnóstico adequados. Tinha um tumor na cabeça

Cinco médicos do Hospital Padre Américo, em Penafiel, foram acusados pelo Ministério Público de não terem feito tudo ao seu alcance para salvar a jovem Sara Daniela Moreira, segundo avança hoje o JN. A jovem de 19 anos morreu em 2013 com um tumor na cabeça não diagnosticado, apesar de ter ido às urgências hospitalares de Penafiel 11 vezes.

O MP acusa os médicos de violarem as "leges artis", ou seja, de não terem agido de modo adequado em oito das dez vezes que Sara foi observada nas urgências. Segundo o Ministério Público, conforme avança o Jornal de Notícias, os clínicos não tiveram "o cuidado de mandar realizar os exames de diagnósticos complementar que se impunham".

As acusações contra os médicos não são mais graves pois, segundo o Instituto de Medicina Legal, "a taxa de sobrevivência a estes tumores é apenas de 5%". Sara Daniela tinha um tumor na cabeça com 1,670 quilos.

"A própria consulta efetuada ao Conselho Médico-Legal refere que o diagnóstico atempado do tumor MP. "Daí que não se possa falar em nexo de casualidade entre a falta de diagnóstico dos médicos e o resultado morte".

Ainda assim, a procuradoria afirma que o tumor, "se descoberto em tempo, permitiria um tratamento adequado com prolongamento de sobrevida e melhoria da qualidade de vida da doente".

"Sara Daniela foi examinada repetidamente pelos arguidos, sem que nunca, porém, qualquer um dos médicos que a examinou tenha, de acordo com os conhecimentos da Medicina e com os cuidados e diligências a que estava obrigado, sequer ordenado a realização de exames complementares de diagnóstico adequados".

O Conselho Médico-Legal também defende que os clínicos deveriam ter ordenado a realização de uma tomografia axial computadorizada ou uma ressonância magnética. Um dos médicos, acusado de dois crimes de violação da "leges artis" por ter atendido a jovem duas vezes, fez um diagnóstico de "provável perturbação de ansiedade".

Outro médico responde por três crimes de violação da "leges artis" por ter atendido Sara Daniela nas urgências três vezes. Os clínicos que observaram a jovem nas primeiras duas idas às urgências do hospital não foram acusados.

Sara Moreira começou a ir frequentemente às urgências em 2010. Na altura tinha 16 anos e sofria de fortes dores de cabeça. Com o passar do tempo a jovem começou a ter vómitos e incontinência. Morreu em janeiro de 2013, com 19 anos, dois dias depois de ter visitado as urgências pela última vez.

Fonte: Diário de Notícias - Lisboa

Comentários