Realizadas primeiras cirurgias de catarata em crianças na Santa Casa

Médica que realizou as primeiras cirurgias de catarata congênita em duas crianças na Santa Casa. Mães estão 'aliviadas' com sucesso do procedimento. (Foto: Divulgação)

Menos de um mês após implantação do ambulatório de catarata congênita na Santa Casa de Campo Grande, duas crianças já passaram por cirurgias pelo SUS (Sistema Único de Saúde) para correção de problemas oftalmológicos e, com tratamentos adequados, podem recuperar até 100% da visão.

Antes, na Capital, a cirurgia de catarata congênita era realizada somente no Hospital São Julião e em clínicas particulares. Na Santa Casa de Campo Grande, o primeiro procedimento foi realizado por volta das 9h em Benjamim Isac Brites Brandão, de seis meses, que foi diagnosticado com o problema com apenas um mês de vida, depois que a família percebeu que a criança não fixava o olhar.

“Foi um susto muito grande, pois não sabia que a catarata afetava crianças. Fiquei desesperada em saber que meu filho não enxergava”, relata a mãe Vanessa Estefani Brites dos Santos, 19 anos, contando que parentes do marido relataram ter a doença.

A cirurgia em Benjamin envolveu dois procedimentos e durou aproximadamente uma hora. Poucos dias depois, o bebê já apresentou melhora. “Começou a enxergar e fixar os olhos”, disse a mãe.

Outra criança que realizou cirurgia no mesmo dia, por volta das 10h, foi Ana Lívia Morais dos Santos, de dois meses. A família descobriu que a filha tinha o problema depois de fazer o texto do olhinho, quando ela tinha sete dias de vida.

“Ela não teve reflexo da visão e os médicos descobriram catarata congênita nos dois olhos dela”, lembra a mãe, Fabíola Neto Morais dos Santos, 19, que teve uma infecção urinária durante a gestação o que acarretou a doença congênita na filha.

A médica oftalmologista Talita Richards ressaltou o sucesso da cirurgia. “Conseguimos marcar a cirurgia em tempo ideal. Agora, os dois pacientes estão partindo para a segunda fase do tratamento de desenvolvimento e estimulação visual", acredita.

A cirurgia foi o primeiro passo de todo um processo de tratamento que pode levar até 4 anos, dependendo da evolução do paciente. As crianças ainda irão usar óculos e realizar uma espécie de fisioterapia ocular, sendo que o processo será completamente acompanhado por equipe médica da Santa Casa.

Por meio da assessoria de imprensa, o hospital informou que as duas crianças foram selecionadas porque estavam há muito tempo na fila de espera. "Quanto mais demorar para realizar a cirurgia, menos chances os pacientes têm de recuperar a visão próximo de 100%".

O hospital, via assessoria, informou que não há novas cirurgias de catarata congênita programadas e não soube dizer quantas crianças estão na fila de espera atualmente.

Fonte: Campo Grande News

Comentários