Autoridades identificam 24 das 62 vítimas mortais de incêndio em Portugal

A ministra de Administração Interna de Portugal, Constança Urbano de Sousa, disse nesta segunda-feira que já foram identificadas 24 das 62 vítimas que, segundo o último balanço provisório, foram mortas pelo incêndio que começou no sábado na localidade de Pedrógão Grande, no centro do país.

Portugal luta para controlar incêndio mais fatal de sua história

Sobe para 62 o número de mortes em grave incêndio em Portugal

Sobe para 62 o número de mortes em grave incêndio em Portugal

Incêndio na região central de Portugal deixa pelo menos 19 mortos

Incêndio na região central de Portugal deixa pelo menos 19 mortos

Constança, que deu aos jornalistas as últimas informações sobre o incêndio, enfatizou que as equipes forenses trabalham sem descanso para identificar os mortos, cujos restos foram levados a Coimbra para que sejam realizadas as análises pertinentes.

Além disso, a ministra assegurou que, oficialmente, não há informações sobre a existência de estrangeiros entre as vítimas, mas o governo francês confirmou hoje que um dos seus cidadãos morreu no incêndio.

A ministra portuguesa confirmou que o número de mortos pela tragédia se mantém em 62 e que a quantidade de feridos é a mesma, e que dois deles estão em estado grave.

A respeito dos trabalhos de combate às chamas, Constança indicou que "várias áreas estão cedendo favoravelmente" aos esforços dos mais de 2 mil efetivos mobilizados nos distritos de Leiria - o mais atingido -, Castelo Branco e Coimbra, todos no centro de Portugal.

O comandante de operações da Defesa Civil de Portugal, Elísio Oliveira, que participou da mesma coletiva de imprensa ao lado da ministra de Administração Interna, disse por sua vez que a temperatura aumentou e que alguns meios aéreos, cujo trabalho estava limitado por falta de visibilidade, começaram a ter acesso a algumas áreas.

O Instituto Português de Mar e Atmosfera (IPMA), prevê que a temperatura fique em torno de 38 graus nas regiões afetadas pelas chamas e que os ventos podem variar de moderados a fortes.

O incêndio que causou a tragédia no centro de Portugal começou no sábado após o impacto de um raio em uma árvore seca e se expandiu com uma rapidez e violência inusitada devido aos fortes ventos e às temperaturas superiores a 40 graus registradas naquele dia, segundo a versão veiculada pelas autoridades portuguesas.

Fonte: Terra Brasil

Comentários