Moto C Plus [Análise / Review]

Um dos principais destaques da linha Moto G era, além do hardware bacana, o preço estipulado para os produtos. Como essa linha foi renovada e agora não custa tão pouco quanto antes, era hora de trazer ao mercado um produto com proposta semelhante para atender o público. Confira agora a nossa análise do Moto C Plus, o provável mais novo queridinho da Motorola.

Olhando bem rápido, a parte frontal do C Plus lembra e muito o Vibe C2, da Lenovo. No entanto, o smarpthone da linha Moto tem aproximadamente 145 gramas de peso com 8.9 mm de espessura. Isso resulta num aparelho de entrada com traseira arredondada e tampa removível, com pegada confortável e poucos detalhes na sua carcaça.

A parte visual do C Plus é bem robusta, mas sem nada de especial. E não nos leve a mal; ele é amigável, com uma cara bem sóbria, e sem deixar nada desalinhado - mesmo sendo de entrada. O detalhe da câmera chama uma certa atenção, lembrando até mesmo um sistema duplo de sensores. Mas só lembrando, mesmo.

Se você é do tipo que usa duas operadoras, inclusive, saiba que é possível adicionar dois chips no Moto C Plus, que também tem slot dedicado para cartões microSD. E a sua bateria também é removível, permitindo que você faça a substituição do componente sempre que quiser.

O Moto C Plus é um compacto interessante. Ele traz uma tela IPS LCD de 5” com resolução HD (1280 x [email protected]), que não vai te dar os melhores resultados mas também não vai decepcioná-lo. A reprodução de cores é bem precisa, com tons naturais, também.

O alto-falante do Moto C Plus não é dos melhores, mas também não é ruim. Este alto-falante único tem um ótimo volume, e o som que sai dali também é limpo. Claro, você vai notar uma certa distorção quando toca uma música no máximo, mas muito menos do que em outros produtos da mesma faixa de preço.

Vale a pena citar, inclusive, que o C Plus chega ao mercado com Bluetooth 4.2 e traz extras como TV Digital (1-seg) e rádio FM. E se você está curioso quanto aos benchmarks, aqui vão alguns resultados obtidos pelo smartphone da Motorola.

O Android 7.0 Nougat faz com que a experiência de uso do Moto C Plus seja bem bacana. Você não tem praticamente nenhuma alteração de interface no sistema, e como ele não traz os recursos adicionais da Motorola, quase nenhum outro app vem pré-instalado no modelo.

Existe lag no Moto C Plus e isto não é nada agradável. Às vezes você até se confunde se é culpa do hardware ou se a tela não tem um tempo de resposta tão legal, mas em alguns momentos fica fácil notar que as ações estão um pouco atrasadas com o dispositivo.

No mais, o principal diferencial neste quesito para o C Plus é o software limpo e atualizado. Entretanto, isto não salva o aparelho de uma experiência não tão empolgante para o consumidor. Ele se parece e muito, inclusive, com o K4 Novo se olharmos para alguns pontos do hardware.

A Motorola adicionou uma câmera de 8 MP (f/2.2) com flash LED ao Moto C Plus, e na parte frontal uma de 2 MP. Ironicamente, o site da Motorola diz que a abertura de lente da câmera frontal é de também f/2.2, quando na realidade é f/2.8. Isso, por si só, faz com que tirar fotos em locais com baixa iluminação seja uma guerra que nem sempre é vencida.

Nós gostamos dos resultados do Moto C Plus, principalmente em locais abertos e bem iluminados. O dispositivo não tem problemas para focar em objetos nestes ambientes, capturando também cores vibrantes e naturais, mantendo também um bom nível de detalhes.

No geral, são fotos interessantes para a faixa de preço em que atua, mas com aquela consideração para ambientes com pouca iluminação, que é onde o aparelho tem uma dificuldade incrível de registrar os cliques.

Mas dois pontos ainda decepcionaram: 1) ele filma em 640 x 480p com 30 fps, numa qualidade muito baixa e sem estabilização ou correção para as tremidas; 2) as selfies são boas, mas ainda pecam por adicionar filtros demais para corrigir os pontos baixos do sensor, que captura poucos detalhes. E durante a noite… bem, é melhor evitar tirar selfies em ambientes com luz baixa.

Se no hardware o Moto C Plus é um aparelho que não empolga, é na bateria onde ele se destaca. São 4.000 mAh de potência, e o componente ainda pode ser removido. Eu, por exemplo, sou um usuário que passa muito tempo com o celular ativo, e ele não decepcionou nesse quesito.

Você encontra potência suficiente para passar dois dias com o Moto C Plus ligado, ainda mais considerando que ele tem especificações bem simples. Só para termos uma noção: ele foi retirado da tomada com 100% às 9h de um sábado, e ao meio-dia do domingo eu ainda tinha 24% de carga.

O C Plus é o que você precisa ter em mãos quando está numa viagem, ou quando realmente não pode ficar sem bateria. Em uso normal, fomos capazes de fazer 5h30 ~ 6h de tela por dia, chegando toda noite com uma boa porcentagem de bateria.

O principal destaque do Moto C Plus definitivamente é a sua bateria que é incrivelmente duradoura. Aliando especificações baixas com um componente energético enorme, o resultado não poderia ser outro além de um smartphone que dura um bom tempo ligado.

Mas, se por um lado isso é lindo, saiba que também temos um lado ruim. As especificações do C Plus são beeeem de entrada, e o pouquíssimo espaço interno é uma das provas mais claras disto.

São cobrados R$ 699 pelo Moto C Plus, valor este que também é cobrado pelo LG K4 Novo, por exemplo. Isso, porém, pode afastar alguns consumidores. Se por um lado a bateria do smartphone é uma das melhores para modelos de entrada da atualidade, o hardware limitadíssimo é um banho de água fria.

De qualquer maneira, aqui na descrição desse vídeo você vai encontrar um link para comprar o C Plus com um preço mais convidativo.

Fonte: Canaltech

Comentários